Hub de Conteúdo CICLO Academy

Sua supply chain está preparada para eventos inesperados?

Nos últimos anos, eventos de proporções globais têm exercido um impacto significativo nas cadeias de suprimentos, exigindo adaptação e resiliência por parte das empresas. Desde a pandemia de Covid-19 até questões geopolíticas e mudanças climáticas, o cenário tem sido desafiador em diversos setores — e a supply chain não é exceção. Pelo contrário: trata-se de um dos segmentos mais afetados.

 

Neste artigo, exploramos cinco eventos-chave e como eles influenciaram a supply chain ao longo da década de 2020. Mas nem só de desafios vivem as cadeias de suprimentos. Algumas boas oportunidades vêm surgindo no horizonte. Por isso, também trazemos dicas que ajudam a compreender como é importante se preparar adequadamente para lidar com a supply chain do futuro.

 

5 eventos globais que impactaram a supply chain nos últimos anos

 

Nos últimos anos, houve uma crescente interconexão entre os eventos globais e o funcionamento da supply chain em diversas indústrias. Sejam eles políticos, econômicos, sociais ou ambientais, acabam exercendo um impacto significativo na cadeia de suprimentos devido à sua capacidade de desencadear mudanças imprevistas.

 

Mesmo quando o impacto é positivo, como uma demanda repentina por determinados produtos ou serviços, é essencial que as empresas estejam preparadas para aproveitar essas oportunidades e responder de forma ágil e eficaz às mudanças do mercado. A seguir, acompanhe alguns dos eventos globais mais impactantes para as cadeias de suprimentos nos últimos anos.

 

1. Pandemia

Um verdadeiro divisor de águas no setor, a pandemia trouxe impactos significativos — e, com eles, grandes aprendizados. Os períodos de lockdown, o fechamento de fábricas, o intenso aumento na demanda por alguns produtos e a queda brusca em determinados mercados… Tudo isso fez com que a supply chain precisasse se reinventar durante o longo período da pandemia.

 

E, assim como a fase aguda da pandemia trouxe severos impactos para as cadeias de suprimentos, o pós-pandemia também foi desafiador. A demanda em determinados setores superou o esperado, causando problemas por falta de pessoal e até mesmo de estoque. Muitas empresas ainda estão procurando entender a melhor forma de trabalhar neste “novo normal”.

 

2. Geopolítica global

Uma série de eventos vem mostrando o quanto a geopolítica global produz seus efeitos nas cadeias de suprimentos. Desde os riscos socioambientais, passando pelos riscos políticos e econômicos, diversos são os fatores que podem impactar profundamente a supply chain das empresas.

 

Mais recentemente, temos o exemplo da Guerra entre Rússia e Ucrânia, que iniciou em 2022 e trouxe impactos imediatos às cadeias de suprimentos: rotas de transporte interrompidas fizeram com que países precisassem adquirir matérias-primas de forma alternativa para produzir determinados produtos (que antes eram adquiridos no exterior) por conta própria.

 

Além disso, sanções impostas à Rússia fizeram com que produtos como o gás, fornecido pelo país liderado por Vladimir Putin, deixassem de ser comercializados em retaliação. O aumento no preço do gás natural foi percebido no mercado internacional, especialmente na Europa, em cerca de 10 vezes.

 

A Ucrânia também era responsável por 90% do néon usado pelos Estados Unidos para produção de lasers e chips, o que impactou o país norte-americano. Há diversos outros exemplos. E eles devem continuar ocorrendo, o que coloca as empresas sempre em estado de alerta.

 

3. Pirataria

Aqui, não estamos falando de pirataria de música, filmes, jogos ou programas de computador. Estamos falando literalmente de pirataria. Esta notícia publicada no Correio Braziliense, em 2023, fala sobre ataques a transportes marítimos no Mar Vermelho.

 

A rota, que já foi considerada uma das mais importantes do mundo para o transporte de produtos como petróleo e gás natural liquefeito, foi abandonada por algumas empresas devido ao grande número de saques realizados por piratas na região.

 

Esse tipo de ação causa um efeito cascata na economia, como explica a reportagem. “Isso pode encarecer o preço dessas matérias-primas — pela redução da oferta e aumento da demanda na outra ponta — e afetar o comércio global, segundo especialistas (…) Com o petróleo mais caro, o custo dos combustíveis sobe, afetando os preços gerais, ou seja, elevando a inflação, o que reduz o poder de compra da população”, diz o texto.

 

Desde então, a situação ficou ainda mais tensa — e imprevisível — na região, com a disputa territorial entre Israel e o Hamas. Assim, sempre é bom estar preparado para novos impactos nas cadeias de suprimentos.

 

4. Inteligência artificial

Pode não ser um “evento” global, mas não podemos ignorar que a inteligência artificial impactou todas as áreas desde que ganhou mais popularidade nos últimos anos, com o avanço da IA generativa. E nas cadeias de suprimentos ela também é uma realidade, trazendo benefícios ao setor.

 

Uma ferramenta baseada em IA e abastecida com dados precisos proporciona uma série de vantagens no cenário de supply chain:

 

  • Melhores previsões de demanda;
  • Antecipação estratégica;
  • Tomada de decisões adaptadas às necessidades do momento;
  • Estratégias personalizadas para compras e ordens de produção;
  • Entregas mais precisas;
  • Redução de mercadorias paradas no estoque;
  • Diminuição do desperdício de matéria-prima, entre outras.

 

5. Mudanças climáticas

As mudanças climáticas têm sido percebidas de forma cada vez mais evidente em diferentes partes do mundo. Desde ondas de calor intenso até grandes volumes de chuvas (como a recente tragédia no Rio Grande do Sul), entre outros eventos, as alterações ambientais provocadas pelas temperaturas mais altas da Terra têm causado dificuldades às áreas de logística e estoque.

 

Como preparar sua supply chain?

 

A história mostra que eventos globais podem desencadear mudanças sísmicas nas cadeias de suprimentos, exigindo adaptação e resiliência por parte das empresas. Desde pandemias até conflitos geopolíticos e desastres naturais, cada ocorrência traz consigo uma série de desafios logísticos e operacionais que testam os limites das organizações.

 

No entanto, o que tem se tornado cada vez mais evidente é a frequência e a complexidade desses eventos. A era da globalização trouxe consigo uma interconexão sem precedentes: uma crise em um ponto do globo pode reverberar rapidamente por toda a cadeia de suprimentos global.

 

Além disso, a ascensão das novas tecnologias, como a inteligência artificial, está acelerando ainda mais o ritmo das mudanças. As empresas precisam não apenas lidar com os impactos imediatos dos eventos globais, mas também estar constantemente adaptando-se às inovações tecnológicas que transformam a maneira como operam. Por fim, as mudanças climáticas também representam uma ameaça crescente, exacerbando ainda mais a instabilidade e imprevisibilidade do ambiente global de negócios.

 

Diante desse cenário, fica claro que as empresas precisam estar preparadas para lidar com os desafios do presente, e também se antecipar e se adaptar às mudanças que estão por vir. Isso requer investimento contínuo em resiliência, agilidade e inovação, bem como uma abordagem holística que leve em consideração aspectos operacionais, sociais, ambientais e tecnológicos.

 

Obviamente que cada tipo de indústria sofre pressões diferentes, mas Gilberto Sarian, fundador da Integration Consulting, nos ajuda a trazer alguns pontos comuns à maioria das organizações.

 

Movimentos que ganharam importância nas empresas frente aos eventos globais

 

BCPs

Para Gilberto Sarian, a consciência da resiliência aumentou desde a pandemia e os mais recentes desafios geopolíticos. As empresas passaram a adotar medidas proativas para fortalecer suas cadeias de suprimentos e, com isso, os BCPs ganharam importância.

 

Sigla para Business Continuity Plans (Planos de Continuidade de Negócios), primeiramente os BCPS ajudam as empresas a identificar e avaliar os riscos potenciais que podem impactar suas operações. Desde ameaças externas, como crises econômicas, até vulnerabilidades internas, como falhas de infraestrutura e indisponibilidade de matéria-prima.

 

Ao compreender esses riscos, conseguem desenvolver estratégias para minimizar o tempo de inatividade e os prejuízos financeiros, garantindo que as operações críticas possam ser retomadas o mais rapidamente possível após uma crise.

 

Além disso, os BCPS permitem que as empresas desenvolvam planos de contingência detalhados para lidar com uma variedade de cenários. Isso inclui a definição de papéis e responsabilidades, a alocação de recursos, a implementação de medidas de segurança e a comunicação eficaz com todas as partes interessadas. Ter planos claros e bem definidos ajuda as organizações a agir rapidamente e com confiança durante períodos de turbulência, minimizando o impacto nas operações comerciais.

 

Os BCPS desempenham papel fundamental na construção da confiança dos clientes, investidores e outras partes interessadas. Demonstrar que uma empresa tem planos sólidos em vigor para garantir a continuidade das operações, mesmo em face de desafios globais, pode ajudar a tranquilizar os stakeholders e manter a credibilidade da organização.

 

Inteligência artificial

Em relação à inteligência artificial, Gilberto vê que há uma revolução a caminho, em boa parte ainda desconhecida em sua intensidade. Isso porque fica mais difícil prever um futuro quando ele é inédito — e não uma continuidade evolutiva de um passado.

 

“Vejo as empresas atentas e com iniciativas de IA, em geral mais comum em empresas multinacionais. Algumas iniciativas são para mostrar que algo está sendo feito – e aprender com a iniciativa, o que é bom. O que é difícil é encontrar uma empresa com uma estratégia clara de absorção da IA em seus negócios, com um roadmap para chegar lá, e com monitoramento contínuo dos avanços da tecnologia e ajustes em seu roadmap”, explica Gilberto.

 

Diante desse cenário, quais são os caminhos para se preparar para os próximos eventos globais?

 

10 dicas para preparar sua cadeia de suprimentos

 

A capacidade de uma empresa de prosperar em um mundo cada vez mais volátil e interconectado dependerá de sua capacidade de se adaptar e evoluir em resposta aos desafios globais em constante mudança. Mas há algumas iniciativas que fazem com que as cadeias de suprimentos não sofram com prováveis futuros eventos globais. São elas:

 

  • Mapeia sua cadeia de suprimentos, desde os fornecedores até os pontos de distribuição;
  • Aumente e melhore a visibilidade da sua cadeia de valor e seus fornecedores;
  • Monitore continuamente e em tempo real toda a cadeia de suprimentos;
  • Tenha agilidade para reagir às mudanças do ambiente operacional;
  • Aprimore o desempenho da cadeia de suprimentos com mais transparência e rastreamento;
  • Cultive relacionamentos sólidos com fornecedores;
  • Diversifique seus fornecedores como alternativa para mitigar interrupções no fornecimento;
  • Faça simulações para prever riscos e desenvolver planos eficientes de supply chain;
  • Tenha um roadmap de analytics para impulsionar a tomada de decisões;
  • Capacite sua equipe com treinamento em sistemas de gestão de crises.

 

E, claro, acompanhe as tendências e movimentos do mercado. O 38º Simpósio Supply Chain, promovido pela CICLO Academy,  é uma grande oportunidade para trocas de experiências e aprendizado, com palestrantes muito conceituados no mercado. Inscreva-se aqui para saber mais sobre estratégia e inovação na área. O evento será realizado nos dias 20 e 21 de agosto.

CATEGORIAS

POSTS RECENTES

NEWSLETTER

Inscreva-se em nossa Newsletter

Fique ligado em nossas novidades!